Porquê que resistimos à prática do Exercício Físico

Sofremos de um condicionamento que nos leva a trilhar por atalhos ao nosso bem-estar. Vivemos num mundo de soluções rápidas, que não se coadunam com as necessidades do nosso corpo. A prática de exercício físico, tem vindo a obedecer à lógica do mundo moderno, tornou-se num acessório, num elemento dispensável, cosmético. É vital que se contrarie esta tendência, devolvendo o exercício físico ao seu lugar de destaque, como parte integrante do nosso bem-estar.

A prática de exercício físico é uma actividade milenar, cujas raízes datam do início das primeiras civilizações. A mente e o corpo, partilham uma estreita ligação de interdependência sendo claro que não faz sentido encarar ambos como entidades isoladas. Surgem como duas faces da mesma moeda, em constante relação uma com a outra, influenciando-se mutuamente. É durante esse período que surge a frase “mens sana in corpore sano”, popularizada pelo satírico poeta romano Juvenal, que proclamava junto dos cidadãos que virtudes valorizar. Ao longo do tempo e retirada de contexto, surge a mencionada frase como hoje a conhecemos: “mente sã em corpo são”.

As civilizações orientais, foram as primeiras a reconhecer a importância da atividade física. Reparem que, na China, por volta de 2500 A.C, como modo de combater a doença, começou-se por imitar os movimentos de variados animais, como prática de mobilidade e promoção da saúde. O Kung Fu é uma derivação directa destes acontecimentos, que tem na sua génese a prevenção e a promoção de um estilo de vida saudável, através da ginástica.

A prática desportiva representa, então, um veículo de saúde e de bem-estar mas, nos dias que correm, relegado para um plano secundário. Perdeu-se aos poucos a noção do seu papel basilar. A “falta de tempo” carrega as culpas do abandono massivo da prática de exercício físico. E se é real que o dia a dia actual é pautado por um ritmo frenético, também é verdade que, aquele que é o nosso bem mais precioso, a nossa saúde, não pode ser deixado por mãos alheias. As casualidades exteriores a nós não deveriam levar a melhor sobre o nosso compromisso com a saúde.

Saiba que é possível criar tempo e espaço para nós! Basta assimilarmos que merecemos, que podemos tomar as rédeas da nossa saúde e bem-estar. Quando interiorizarmos que temos o poder de melhorar a nossa vida, e que isso passa necessariamente por tratarmos bem o nosso corpo, o cansaço e a falta de tempo não serão impedimentos.
Se dedicar alguns momentos a refletir sobre a forma como está a gerir o seu tempo, encontrará certamente brechas (e ficará surpreendido com quantas!) onde encaixar a prática de exercício físico. Sugerimos que comece com baby steps! Não tem de correr uma maratona no próximo mês. O importante é que se reconecte com aquele que foi um hábito ancestral, que o recupere. Na verdade, até já sabe por onde deve começar. Os 15 minutos gastos naquela série a que assiste “só porque sim”, são perfeitos para uma rápida caminhada pelo bairro. E melhoram o seu sono. Se adora assistir a vídeos no Youtube, saiba que existe uma infinidade de boas opções que o ajudam a exercitar-se em casa. Existe ainda a velha dica do elevador: não o utilize, siga pelas escadas. Se é possível chegar ao trabalho pelo seu pé, porque há de recorrer ao carro? Os saltos altos são um problema? Leve-os num saco e calce-os à chegada. Queremos relembrá-lo(a) de que existe uma infinitude de possibilidades para si. Coloque a criatividade a favor da sua saúde. Faça as suas escolhas, opte por viver na melhor versão de si.